Archive for dezembro \26\UTC 2007

Lula precisa escolher entre a Ética e a maioria parlamentar

quarta-feira, 26 dezembro 2007

Uma matéria intitulada “Sai dai rapidinho, Lupi!” no blog do Noblat resume bem a situação:

A Comissão de Ética Pública, órgão do governo, encaminhou hoje a Lula documento sugerindo a demissão do ministro do Trabalho, Carlos Lupi. Ele ocupa ao mesmo tempo o ministério e a presidência do PDT. O acúmulo dos cargos gera conflitos éticos e de interesse, segundo a Comissão.

Lupi diz que não deixará o ministério – muito menos a presidência do PDT. Salvo, naturalmente, se Lula demiti-lo. Deseja que seja ouvida a Advocacia-Geral da União. Essa, por sua vez, adiantou que a Constituição não proíbe a acumulação dos cargos.

Pura embromação de Lupi e da Advocacia-Geral.

O problema dele não é com a Constituição – é com o estatuto que regula o comportamento dos altos funcionários da administração pública. Ao assumir o ministério, Lupi se comprometeu em respeitar o estatuto. E o estatuto considera aético o acúmulo de cargos dessa natureza.

Não basta que como ministro Lupi não adote decisões que possam beneficiar seu partido. É preciso que ninguém possa supor que como ministro ele adotará decisões capazes de beneficiar seu partido.

É a ética, estúpido!

Se a a recomendação da Comissão não for acatada por Lula é melhor desativar a Comissão. Por sinal Lula nunca deu muita bola para ela.” (o negrito acima e a montagem abaixo são meus)

Fradim Top Top do Henfil com Rosa o PDT

Sai dessa Lula!
a rosa da (comissão de) ética ou o espinho do (Presidente do PDT, Carlos) Lupi ?

 

 

.

.

.

.

.

.

(montagem com o desenho
clássico do Fradim do Henfil
com a rosa símbolo do PDT)

Anúncios

Futebol: Força da Paz

terça-feira, 25 dezembro 2007

Sua Majestade, Pelé, o Rei do FutebolNum dos depoimentos mais emocionantes que assisti em minha adolescência, o Rei Pelé, contou o episódio em que os dois lados de uma guerra na África estabeleceram uma trégua para que O Santos Futebol Clube se apresentasse à população e aos integrantes dos doisMilitar joga futebol com menino no Iraque exércitos beligerantes. A título de moral da história, Sua Majestade exaltava a força do futebol como instrumento de paz. Hoje na Folha (de onde foi retirada a foto ao lado) leio que os militares estadounidenses redescobriram esta pólvora.

Qual o mistério? De onde vem este dom do futebol?

Minha explicação (que tem a mesma autoridade da de bilhões de conTERRAnêos): desde pequenos, grande parte dos terráqueos, convivemos com o desafiante e gratificante brinquedo da bola. Entendemos deste assunto. Respeitamos e amamos a nobreza daqueles que elevaram a brincadeira ao status de grande arte. O anseio pelo lúdico e infantil que há nesta atividade pode se sobrepor e canalizar os aspectos animalescos e assassinos presentes nos adultos para esta atividade. Afinal, o que diferencia os humanos do resto do mundo animal é, também, a capacidade de jogar futebol e marcar gols. É ou não é?

Meu primeiro encontro com a prática de Ciência e Tecnologia

domingo, 23 dezembro 2007

Em agosto de 1976 fui contratado para trabalhar no IPT (Instituto de PesCampus do IPTqCampus do IPTCampus do IPTuisas Tecnológicas do Estado de São Paulo). Logo no início, meu chefe, o Dr. Luiz Harold Dirickson ciceroneou-me pelo enorme campus da Instituição (na imagem aí ao lado), apresentando-me pessoas e lugares. Ao chegarmos ao prédio que abrigava a Divisão de Engenharia Mecânica e o Laboratório de Metrologia paramos na frente de uma parede branca no meio da qual havia uma porta de um cofre. Nem em filme eu lembrava de havCampus do IPTCampus do IPTer visto uma porta de cofre daquele tamanho. Também, me surpreendeu encontrar um cofre no meio de uma Divisão Técnica. Que valores haveriam ali que precisassem de um cofre para a sua guarda? A porta estava destrancada e por ela entramos em um ambiente refrigerado de cerca de 30 m2. À direita uma porta estreita. Por ela penetramos numa sala pequena. A um lado, prateleiras com diversos objetos. O Dr. Dirickson pegou uma caixa azul estreita e comprida. Abrindo-a com cuidado e reverência mostrou-me o conteúdo. Lá dentro, encaixada no que me pareceu um berço de veludo, repousava uma barra metálica levemente dourada, estreita e longa. Disse-me: ”Este aqui, Roberto, é O metro. Feito a partir de uma réplica do metro original que se encontra em Paris.” metro-padrao de ParisNa prateleira, os objetos vizinhos eram padrões de quilo e outras unidades de pesos e medidas. Foi uma revelação. O que pode haver de mais precioso – num instituto dedicado a pesquisa científica e tecnológica – que um padrão de medida confiável ? Em minha mente jorraram questões que nunca antes me haviam sido colocadas: o que era, de fato, UM metro (veja a resposta aqui em inglês ou aqui em português) ? Quer dizer que para fins práticos havia em Paris uma barra de metal que era O metro e a partir da qual se confeccionavam e aferiam sucessivamente as demais ? E, que, portanto, havia a possibilidade de diferenças nas medições dependendo do como, do quê e para quê fossem feitas as medidas? Era o mundo da tecnologia e da ciência prática que se abria.

Anti-economês: Capital HUMANO…

quarta-feira, 19 dezembro 2007

Não existe capital que não seja humano.

Dinheiros (e outras coisas) quando investidos para obter lucros, juros, dividendos, rendas, são capital ou capitais. Quando usados para o gasto do indivíduo, seja ele assalariado ou capitalista, não é capital. Nenhuma conotação ética ou moral. Apenas um esforço para colocar os pingos nos is e diminuir a confusão.

 

De uns tempos para cá a expressão Capital Humano aparece com cada vez maior freqüência. Sempre equivocada. Em geral, vem associada ao investimento que é feito com educação e treinamento. O indivíduo que investe em sua qualificação, mesmo que com a única intenção de aumentar seu rendimentos, não está “aumentando seu capital humano”. O indivíduo assalariado pode aumentar seus salários pela maior qualificação. [Pode também ser demitido. Há casos em que professores contratados como Mestres escondem o recém-conquistado grau de Doutor para não serem demitidos em virtude dos maiores salários que seus empregadores teoricamente deveriam pagar-lhes (“Tiro ao Doutor – A mira no professor universitário” de Anna Gicelle Garcia Alaniz  – mas isto é conversa para outro post].

O capitalista que estuda, pode utilizar melhor seu capitais para obter maiores rendimentos. Há casos de capitalistas altamente qualificados que foram à falência em grande estilo. [Por exemplo, o Fundo de Investimentos LTMC. Tinha entre seus sócios DOIS Prêmios Nobel e um ex-presidente do FED. Criado em 1994 com o capital de US$ 4 bi em 1998 foi à falência devendo por volta de US$ 200 bi, o que foi considerado uma ameaça sistêmica às finanças americanas e internacionais… Mas, isto, também, é para outro post]

O texto acima estava escrito quando recebi o seguinte texto que é um exemplo irado de anti-economês. Está no site do grande Le Monde Diplomatique em português.

A fraude do conceito de “capital humano”
Imposto pela novilíngua contemporânea que é o discurso neoliberal, o conceito pretende convencer os trabalhadores assalariados de que cada um deles possui um “capital”: sua própria pessoa.

E por aí vai…

 

“…heróica e mesopotâmica campanha…” anti-economês

quarta-feira, 19 dezembro 2007

“…heróica e mesopotâmica campanha…” é a frase com que o autointitulado Macaco Simão introduz a frase do dia. É um protesto contra os termos e discursos que escondem e disfarçam a realidade, como por exemplo chamar anão de deficiente vertical.

Neste blog assumimos a heróica e mesopotâmica campanha ANTI-ECONOMÊS. Alguns economistas e seções de economia de jornais gostam de falar em “crescimento negativo” que em bom português quer dizer diminuição. Para eles não é de bom tom afirmar que a economia (ou o setor ou a empresa) diminuiu. Mais politicamente correto é dizer “cresceu negativamente”, trés chic.

Outra do anti-economês é “redução do desmatamento” (por exemplo: “Desmatamento cai, mas fica acima do esperado”). Significa que a situação continua a piorar. Só que mais devagar.

É como disse o cidadão que caiu do décimo andar ao passar pelo primeiro: “Até aqui tudo bem…”

O Terremoto de Itacarambi e o Gerenciamento do Conhecimento

segunda-feira, 10 dezembro 2007

Há dias prédios tremeram em SP. Como? Terremoto no Brasil? Não! Estes tremores foram conseqüência de terremoto com epicentro no Chile. Ah! bom !

Mas, ontem, sim. Ocorreu um terremoto em Itacarambi, norte de MG, Brasil, causando uma morte e vários feridos. Para minha incredulidade o epicentro estava a alguns quilômetros de profundidade naquele ponto do subsolo brasileiro.

Junto com o terremoto desabou um mito da minha infância. Aprendíamos na escola (como ainda hoje se ensina) que no Brasil não ocorrem fenômenos naturais devastadores como furacões e terremotos.

TREMOR Mapa do serviço geológico do EUA mostra onde foi o terremoto, localizado precisamente a 10 km de profundidade nas coordenadas 15.049° sul e 44.199° oeste

(O mapa e as informações acima foram obtidas aqui e aqui)

Nos textos escolares do ensino médio não há a mais remota possibilidade de que estes desastres naturais possam ocorrer no Brasil. Ensinava-se (e ainda se ensina) uma versão pseudo-científica de “País Tropical”, aquela música do Jorge Ben Jor que diz que moramos num país tropical, bonito por natureza, mas que beleza…. O problema não é ensinar “verdades” “científicas”. O grande problema é impingí-las como VERDADES DEFINITIVAS, despidas de sua historicidade, vedadas à curiosidade e ao questionamento como dogmas religiosos e, por último, mas não menos importante, que devem ser DECORADAS PARA A PROVA (ao invés de aprendidas para a vida). Depois não adianta reclamar que o país está nos últimos lugares em ciências… Os professores precisam levar para a sala de aula os conhecimentos atualizados ou, no jargão, o “estado da arte” do conhecimento. Gerenciamento do Conhecimento (Knowledge Management) também é – ou deveria ser- isto aí.

ATUALIZAÇÃO DE 12/12:

A FALHA GEOLÓGICA É MAIS EMBAIXO

Jornais de hoje trazem que o maior terremoto do Brasil ocorreu  no Mato Grosso, com o impacto considerável de 6,3 graus na escala Richter,  em (pasmem!) 1955… Então porque segue esta predominância da visão de “Paraíso Tropical” nas cartilhas escolares e na consciência social? Parece que o buraco, digo, a falha geológica é mais embaixo…

ATUALIZAÇÃO EM 07/05/2014:

Informações úteis divulgadas recentemente sobre este assunto pela FAPESP:

PORQUE A TERRA TREME NO BRASIL

Texto: http://revistapesquisa.fapesp.br/2013/05/14/por-que-aterra-treme-no-brasil/ 

Vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=W6tOVzxBtrQ

Cadastros “bagunçados” e recursos pelo ladrão…

sábado, 8 dezembro 2007

“Dois dias após a Folha publicar que o senador Garibaldi Alves Filho (PM//media.xanco.com/big/254_248_1670.jpgDB-RN) aparecia em cadastro da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) como sócio da TV Cabugi, de Natal, o Ministério das Comunicações… excluiu o nome e o CPF do senador da lista anteontem.” E prossegue a matéria da página A6 da Folha de 8/12: “No lugar do senador, passou a constar da nova relação de sócios da TV seu pai, Garibaldi Alves, com 190 mil cotas, a mesma quantidade até então atribuída ao filho. Embora os nomes sejam quase idênticos, seus CPFs são diferentes.”

 

O senador é candidato à presidência do Senado no lugar de Renan Calheiros acusado de diversas irregularidades entre as quais a de ser proprietário de meios de comunicação o que proibido a parlamentares.

 

Se houvesse rigor no trato dos cadastros com certeza muitos dos problemas referentes a desvios de recursos e outras ilegalidades seriam menores.

 

Uma pesquisa com “cancelamento CPF” no site da Radiobrás entre 2002 e 2006 traz 21 resultados. Mostram que entre 2002 e 2006 foram cancelados mais de 50 milhões de CPFs

 

Considerando que em 2007 houveram menos de 90 milhões de declarações (entre isentos e não isentos), os cancelamentos acima são percentagens expressivas dos cadastros e mostra algo muito errado na forma de lidar com informações.

 

A mesma coisa na Previdência Social. Entra governo e sai governo, muito se discute como diminuir o déficit ou aumentar os benefícios. Veja matéria neste blog sobre recente seminário. Nele nada se apresentou sobre colocar em ordem cadastros e processos administrativos. Nos corredores comentários sobre casos em que a Previdência Social é acionada pelo 0800 para interromper o pagamento de pensões ou benefícios a alguém recentemente falecido. E a resposta: “Não se preocupe que quando o cartório informar à Previdência os pagamentos serão suspensos”. E lá se vão recursos escapando pelos ladrões…

Ladrão, conforme o Dicionario Houaiss,  em sua sexta acepção significa: abertura, cano ou calha por onde se escoa automaticamente a água de um reservatório (caixa-d’água, pia, radiador etc.) quando ela excede determinado nível”(o grifo é meu).

Ao Senador José Sarney. Assunto: Educação

sexta-feira, 7 dezembro 2007

Excelentíssimo Senhor
Senador José Sarney

o Programa Internacional de Avaliação de Alunos de 2006, elaborado pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) apresentou o Brasil nos últimos lugares entre 57 países e o Maranhão em último lugar entre os estados brasileiros (detalhes podem ser obtidos em http://www.inep.gov.br/imprensa/noticias/internacional/news07_05.htm)

Permita-me perguntar:

Como é possível que, sendo político ativo e proeminente no Brasil há quase 60 anos, presidente da República entre 1985 e 1990, autor de livros e membro da Academia Brasileira de Letras, principal expoente de um grupo que há décadas é crucial na política do Estado do Maranhão, COMO É POSSÍVEL, repito, QUE O ESTADO DO MARANHÃO TENHA TIDO AS MENORES NOTAS NO REFERIDO EXAME ?

No aguardo de vossa resposta,

Roberto Jorge Regensteiner
regenste@gmail.com

PS – Este email está sendo publicado na Internet no blog rjrconsultor.wordpress.com como também o será a resposta.

O jeito Telefônica de ser…

sexta-feira, 7 dezembro 2007

Para cancelar o serviço Detecta – Linha Inteligente o usuário tem de acertar uma enorme seqüência de opções de menu, digitar o CPF do titular da linha e – se não der ocupado – descobrir, se naquele horário, este cancelamento pode ser executado e se há atendente disponível. Caso as condições anteriores sejam atendidas – PARABÉNS ! – haverá contato com um ser aparentemente humano do outro lado da linha. Entra-se numa nova fase do ritual comunicativo. O supra-mencionado CPF deverá ser repetido bem como um conjunto de informações para que o sistema possa ter certeza de que você é você e, claro, tudo é feito em nome de sua segurança. Passando esta fase o ser humano a serviço da Telefônica passa a informar de todos os problemas e inconvenientes que poderão advir do cancelamento deste serviço. Quem agüentar esta parte do script que o atendente é obrigado a efetuar verá então realizado seu grande desejo de cancelar o serviço e  ver-se livre desta relação degradante. Já para contratar o serviço é fácil, fácil.

 A Folha traz matéria reportando o almoço e a distribuição de brindes oferecido pela distinta empresa aos funcionários do PROCON. (Dúvida cruel: como serão classificadas as despesas com estas atividades. Se bobear ainda serão descontadas do imposto de renda ao serem (in)devidamente classificadas como atividade cultural ou filantrópica). Confrontada com a questão A Telefônica informou, por meio de uma nota, que realImagem da Comunidade do Orkutiza reuniões periódicas com Procons de todo o Estado para intercâmbio de informações “que permitam o aprimoramento constante do atendimento e dos serviços prestados pela operadora”.

Ah bom! Se a empresa está interessada neste aprimoramento tenho uma porção de boas sugestões. Aqui vai a primeira. Alô Telefônica: visite o Orkut e faça uma pesquisa com ODEIO TELEFÔNICA. Aparecerão mais de MIL comunidades. A imagem ao lado é a da que aparece no topo da lista. Só de ler o nome das comunidades já dá para ter uma boa-idéia do que é necessário aprimorar.

“Victória de Mierda” – A democracia pode ser um sistema mais inteligente

quinta-feira, 6 dezembro 2007

O referendo popular na Venezuela, no último dia 2/12, colocou em discussão 69 dos 350 artigos da Constituição. A possibilidade permanente de reeleição do presidente foi apenas um deles. Esta questão polarizou o noticiário e todo o processo eleitoral. Alem dela, havia outras questões bem específicas como a redução da idade de votar de 18 para 16 anos, a diminuição da semana de trabalho de 44 para 36 horas, a nomeação pelo presidente do prefeito da capital. E outras mais genéricas como a tal do “socialismo bolivariano”. O voto não era obrigatório.

Veja no quadro como foi organizada a votação dos assuntos na urna eletrônica: dois conjuntos de artigos a serem aprovados ou rejeitados em bloco. A democracia pode ser um sistema mais inteligente e com menor grau de manipulação que este. O presidente Chávez ao encerrar a campanha proclamou: “Os que votam pelo ‘Sí’ estão votando por Chávez, os que votam pelo ‘No’ estão votando contra Chávez”. O próprio presidente transformou o que deveria ser A POLÍTICA (COM MAIÚSCULAS) baseada, principalmente, numa análise racional das coisas a um FLA‑FLU DE EMOÇÕES.

Quem vai lembrar o que está em jogo em cada um dos artigos? Como fazer se num mesmo bloco há questões que o eleitor deseja aprovar e outras que deseja rejeitar? Talvez tenha sido a falta de respeito ao eleitor que elevou o nível de abstenção a um ponto em que o oficialismo perdeu as eleições ainda que por pequena margem. E se ao final do domingo o presidente foi elegante ao reconhecer sua derrota, hoje o Fla-Flu político voltou à cena com a infeliz declaração (Victória de Mierda”) e com a ampla participação da midia com seus jogos de destacar o que prefere exibir e minimizar o que deseja ocultar. Está difícil acompanhar a situação na Venezula por apenas uma fonte de informação.