Archive for the ‘Cultura Organizacional’ Category

Lula precisa escolher entre a Ética e a maioria parlamentar

quarta-feira, 26 dezembro 2007

Uma matéria intitulada “Sai dai rapidinho, Lupi!” no blog do Noblat resume bem a situação:

A Comissão de Ética Pública, órgão do governo, encaminhou hoje a Lula documento sugerindo a demissão do ministro do Trabalho, Carlos Lupi. Ele ocupa ao mesmo tempo o ministério e a presidência do PDT. O acúmulo dos cargos gera conflitos éticos e de interesse, segundo a Comissão.

Lupi diz que não deixará o ministério – muito menos a presidência do PDT. Salvo, naturalmente, se Lula demiti-lo. Deseja que seja ouvida a Advocacia-Geral da União. Essa, por sua vez, adiantou que a Constituição não proíbe a acumulação dos cargos.

Pura embromação de Lupi e da Advocacia-Geral.

O problema dele não é com a Constituição – é com o estatuto que regula o comportamento dos altos funcionários da administração pública. Ao assumir o ministério, Lupi se comprometeu em respeitar o estatuto. E o estatuto considera aético o acúmulo de cargos dessa natureza.

Não basta que como ministro Lupi não adote decisões que possam beneficiar seu partido. É preciso que ninguém possa supor que como ministro ele adotará decisões capazes de beneficiar seu partido.

É a ética, estúpido!

Se a a recomendação da Comissão não for acatada por Lula é melhor desativar a Comissão. Por sinal Lula nunca deu muita bola para ela.” (o negrito acima e a montagem abaixo são meus)

Fradim Top Top do Henfil com Rosa o PDT

Sai dessa Lula!
a rosa da (comissão de) ética ou o espinho do (Presidente do PDT, Carlos) Lupi ?

 

 

.

.

.

.

.

.

(montagem com o desenho
clássico do Fradim do Henfil
com a rosa símbolo do PDT)

Anúncios

O jeito Telefônica de ser…

sexta-feira, 7 dezembro 2007

Para cancelar o serviço Detecta – Linha Inteligente o usuário tem de acertar uma enorme seqüência de opções de menu, digitar o CPF do titular da linha e – se não der ocupado – descobrir, se naquele horário, este cancelamento pode ser executado e se há atendente disponível. Caso as condições anteriores sejam atendidas – PARABÉNS ! – haverá contato com um ser aparentemente humano do outro lado da linha. Entra-se numa nova fase do ritual comunicativo. O supra-mencionado CPF deverá ser repetido bem como um conjunto de informações para que o sistema possa ter certeza de que você é você e, claro, tudo é feito em nome de sua segurança. Passando esta fase o ser humano a serviço da Telefônica passa a informar de todos os problemas e inconvenientes que poderão advir do cancelamento deste serviço. Quem agüentar esta parte do script que o atendente é obrigado a efetuar verá então realizado seu grande desejo de cancelar o serviço e  ver-se livre desta relação degradante. Já para contratar o serviço é fácil, fácil.

 A Folha traz matéria reportando o almoço e a distribuição de brindes oferecido pela distinta empresa aos funcionários do PROCON. (Dúvida cruel: como serão classificadas as despesas com estas atividades. Se bobear ainda serão descontadas do imposto de renda ao serem (in)devidamente classificadas como atividade cultural ou filantrópica). Confrontada com a questão A Telefônica informou, por meio de uma nota, que realImagem da Comunidade do Orkutiza reuniões periódicas com Procons de todo o Estado para intercâmbio de informações “que permitam o aprimoramento constante do atendimento e dos serviços prestados pela operadora”.

Ah bom! Se a empresa está interessada neste aprimoramento tenho uma porção de boas sugestões. Aqui vai a primeira. Alô Telefônica: visite o Orkut e faça uma pesquisa com ODEIO TELEFÔNICA. Aparecerão mais de MIL comunidades. A imagem ao lado é a da que aparece no topo da lista. Só de ler o nome das comunidades já dá para ter uma boa-idéia do que é necessário aprimorar.

Cultura(s) Organizacional(is)

quarta-feira, 21 novembro 2007

Nesta próxima 5.a feira haverá a defesa de um TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) que orientei na pós da Uninove a respeito dos Aspectos Culturais e Organizacionais no Processo de Aquisição do BankBoston pelo Banco Itaú ocorrido em 2006.

Há um consenso de que o Banco do Brasil é (ainda) o maior banco do país. Mas, depois desta aquisição a disputa entre o Itaú e o Bradesco pelo segundo lugar passou a depender de cada milhãozinho e do critério utilizado.

Menciono este fato pela atualidade do tema. A Revista Época Negócios que está nas bancas (nov. 2007) traz extensa matéria sobre a aquisição do ABN Amro por um consórcio de bancos europeus pelo valor de US$ 100 bi. No Brasil isto significará a aquisição do Banco Real pelo Santander (ex-Banespa). Os números destas duas organizações somados (mais de 2100 agencias, quase 55 mil funcionários, patrimonio de R$ 20,6 bi …) resultarão em mais um banco na disputa.

Sem citar a fonte, a Revista menciona ainda que, neste ano ocorreram no primeiro trimestre 69 fusões no mundo todo e que a estimativa é de 300 até 2008. (Pode-se presumir que de fato estes números sejam muito maiores porque as fontes são em geral, estudos de consultorias ou acadêmicos e não há um órgão centralizador destas estatísticas).

Dois aspectos a serem ressaltados. Um mencionado pela própria revista. Conforme estudo da KPMG, “83% de todas as uniões empresariais deixam de produzir benefícios para os acionistas e mais de 50% delas destroem valor nas empresas. Em metade das causas de insucesso, a causa fundamental é um choque cultural e suas conseqüências: baixo comprometimento e cooperação entre funcionários, maior rotatividade, deterioração no desempenho operacional e declínio no valor para o acionista.”

O outro aspecto e sobre o qual voltaremos a blogar (e muito) é: a quem interessa este mundo no qual predominam organizações gigantescas e multibilionárias ? estarão elas à altura das suas responsabilidades ?

Não percam os próximos capítulos.